domingo, 27 de abril de 2014

Capitulo 09


Um Lenhador Durão



O céu já estava com um tom obscuro quando Red e seus amigos finalmente saíram de um transe de sonolência que parecia ter impregnado em seus corpos - mesmo depois de acordados seus olhos continuavam a pesar toneladas. Porém, mesmo famintos e doloridos, todavia, sem qualquer espécie de ferimento, a curiosidade em desvendar tudo o que havia acontecido recentemente era maior que tudo.

Uivos e sons assustadores ecoavam por todo o local, aparentando que ali era a moradia de criatura fantasmagóricas e assustadoras. A Árvore da Vida cintilava por inteira ao longe, sendo a única fonte luminosa num raio de dois quilômetros, já que as densas copas das árvores tornavam invisíveis tudo além delas.

Os pokemons do grupo de viajantes pareciam estar em perfeito estado, mas por precaução foram recolhidos para um repouso, exceto Scyther. Por conta da radioatividade que havia recebido no laboratório de pesquisas dos Rockets tinha seu corpo completamente esfacelado, o qual se negava a regeneração oferecida pelos poderes curativos da árvore brilhante.

“Impeça que a Equipe Rocket prossiga com seus planos. Se não o fizer todo o mundo que conhecemos deixará de existir. Além do mais, aquilo que você mais deseja se encontra lá.”, a frase ecoava na cabeça de Red. Mew havia transformado sua mente em um verdadeiro caos de perguntas com respostas inalcançáveis – inclusive a de que se aquele encontro com o pokemon lendário realmente aconteceu.




- O que realmente aconteceu?- exigiu explicações Leaf, ligeiramente atordoada – Como sobrevivemos?

-As resposta estão todas ali - apontou Red para imponente Árvore da Vida que emanava uma energia que trazia uma magnífica paz interior.

-Será que a Team Rocket escapou?- questionou Rick.

-Se nós fomos abençoados com tal milagre acredito que eles também devem ter desfrutado da mesma dádiva –a notícia tornou o semblante dos demais adotasse uma expressão que misturava os sentimentos de raiva, tristeza e desapontamento- Mas não fiquem tristes companheiros, tivemos uma grande vitória hoje. Destruímos um dos maiores centros de pesquisas dos Rockets, o que provavelmente os causaram um retardo a seus planos malignos.

- Ainda não acredito em tamanha crueldade com que eles faziam aqueles experimentos de genéticos utilizando pokemons como cobaias – as imagens daqueles corpos mortos que encontraram em uma das salas da base dos Rockets não parava de se repetir na cabeça de Red – prometo que vou vingá-los... Blue, você tem idéia do local para onde eles podem ter partido agora?

- Infelizmente não.

De repente, o quarteto começou a ouvir gemidos de dor que logo detectaram vir do alquebrado pokemon inseto esverdeado que estava recostado em um tronco de árvore próximo. Ele não aparentava saúde. Para qualquer parte de seu corpo que se olhava encontrava-se sangue escorrendo, ferimentos, hematomas e muito vômito.

-Scyther!!! - gritou Leaf em desespero ao ver aquela cena horrenda. Como não haviam percebido o estado do pokemon que haviam conseguido resgatar das garras dos Rockets?

Red tentou fazer os primeiros socorros o mais depressa possível - o que depois ele percebeu que iria ser uma tarefa árdua já que o corpo do inseto parecia mergulhar em chamas. Com a ajuda de Horsea e Bulbasaur ele conseguiu-o limpa-lo, fazer os devidos curativos e até encontrar algumas ervas medicinais para diminuir a febre. Nada adiantou. Aquilo estava muito além da sua capacidade como médico, ele precisa ser tratado por um especialista com urgência.

A cidade mais próxima, Pewter City, ficava a meio dia de caminhada dali, além de que ainda era noite o que tornava as coisas ainda muito piores, já que eles tinham receio do que poderiam encontrar na densa floresta. O desespero tomou conta do grupo, não podiam deixar aquela pobre criatura morrer ali, mas também não podiam tomar atitudes precipitadas num momento tão critico.

Uma luz surgiu no fim do túnel. Depois de fazer uma busca na área ordenada por seu mestre, Fearow voltou com uma boa notícia: havia um pequeno casebre a alguns minutos de caminhada ao leste. Com a Zarparam mais que imediatamente para o local.

O casebre rústico erguia-se em um dos poucos lugares onde a Veridian Forest se abria, tendo toda sua estrutura feita de madeira desgastada. Das frestas da janela solitária um feixe de luz escapava, ganhando destaque por conta da escuridão da noite, indicando habitação O grupo se aproximou e gritou o típico “Tem alguém em casa?”, mas recebeu apenas os contínuos uivos como resposta. Então resolveram entrar assim mesmo antes de serem surpreendidos por uma abelha gigantesca que se pôs como guardião na frente da porta.



A criatura amarela com listras pretas tinha um par de grandes olhos vermelhos que eram capazes de ver qualquer ângulo enquanto suas asas batiam numa velocidade semelhante a da luz, além das suas antenas em forma de 7 que pareciam captar tudo ao seu redor.Mas a parte mais interessante do corpo deste pokemon eram os  ferrões cônicos nas patas dianteiras carregados de veneno letal e outro que crescia em seu traseiro.Eram conhecidos como os demônios das florestas, Beedrill.



- Beedrill, é a forma evoluída do Kakuna. Vivem em bandos e são extremamente territorias. Voam e alta velocidade e atacam usando seus ferrões venenosos na patas dianteira na cauda - disse a voz mecânica da pokedex.

-OMG!Abeille teuse – bradou Langdon, assustando até mesmo o Beedril que reagiu em uma saraivada de espinhos venenosos, obrigando a todos a atirar-se contra ao chão para esquivar-se.

-Mirror Move

Um imenso pássaro marrom de bico longo surgiu em meio a floresta avançando em grande velocidade em direção a abelha. Em segundos um espelho arredondado eclodiu flutuando em frente a Fearow e deles saíram uma rajada de espinhos venenosos semelhantes aos anteriores., as quais foram completamente destruídas pelos ferrões do inseto amarelados que serviram como espadas.

-Drill Peck! – ordenou Oak logo em seguida.

Aquele era um golpe muito temido, principalmente quando realizados pela espécie daquele pássaro, sendo capaz de perfurar quase tudo com que colidisse. Beedrill tentou o Agility para uma esquiva, mas Fearow desceu como um foguete não dando qualquer tipo de chances para o oponente com sua bicada colossal.

Com a agitação Scyther, que havia conseguido dormir por um breve intervalo de tempo quando a intensidade das dores amenizaram-se graças aos cuidados de Red, acordou espavorido machucando as costa do moreno com suas laminas afiadas e iniciou novamente a gemer de dor.

A porta escancarou com um chute. Dela uma garota de cabelos castanhos amarrados em um rabo de cavalo que usava óculos quadrados saiu com uma aparência nada receptiva. Ela utiliza um short marrom curto, da mesma cor de seus sapatos, e uma blusa tão verde quanto a grama. Em seu braço um pokemon de cor vinho com maracás pretas se apoiava.

     By: Scratchbite


-Quem ousa atrapalhar o meu sono a essa hora da noite? – disse a menina enfurecida. – Beedrill, querido, você está bem? Exijo explicações!!!

Evely pegou uma esfera bicolor de sua cintura e retornou a abelha que jazia caída no chã.

- Queria nos perdoar por obséquio, senhorita. Não foi nossa intenção atrapalhar seu sono.Nós apenas viemos aqui em busca de ajuda quando fomos surpreendidos por este Beedrill. – explicou-se imediatamente Red.

-Não poderiam ser menos barulhentos?Afinal, quem são vocês?

-Red, Blue, Rick e Leaf – apresentou todos, indicando-os com enquanto pronunciava o nome de cada.

-Me chamo Evely, sou uma Bug Catcher.

-Arceus ouviu nossas preces \o/- comemorou Leaf – Precisamos de ajuda, este Scyther está com sérios problemas de saúde.

-Rocut!O que aconteceu com você?

Leaf pensou em perguntar de onde é que a garota conhecia aquele Scyther se o nome dele realmente fosse Rocut.Porém, deixou pra depois, já que os cuidados com o louva-deus eram prioridade no momento em questão.

Ela não quis entrar no casebre no primeiro instante, pois o mesmo parecia não ter tido uma limpeza há meses, e o pior, estava rodeado de insetos gosmentos. Não teve escolha, foi empurrada para dentro por Rick e quando pensou em contestar foi repreendida por um olhar seco do professor. Iria respeitar o momento, mas com certeza não deixaria de reclamar com ele depois.

Evely era incrivelmente boa em manusear o Scyther,o que atiçou a curiosidade de Red que não desgrudou dela nenhum um segundo sequer. Ela fez curativos em alguns ferimentos que Red não conseguiu detectar na escuridão e lhe alimentou com um copo de vitaminas que teve feito rápido, revigorando-o e abaixando a febre dele pela metade.Contudo, quando parecia já ter acabado o serviço a Bug Catcher tomou um expressão de susto, o que levou o resto a fazer o mesmo.

- O que houve?

-Eu só posso estar sonhando, santo Arceus.Venha cá, depressa.

Todos se aglomeraram envolta da cama onde Scyther jazia repousando sob efeito de soníferos. Evely começou então a abrir uma das grandes feridas do inseto retirando um pouco de carne morta – o que fez Leaf ansiar por vômito e quase sair do quarto se Rck não a tivesse segurado com força pelo braço - de repente o eles encontraram a coisa mais inusitada possível, pequenas de camadas de ferro dentro do corpo do pokemon.

-Não pode ser possível. Esses são os mesmo componentes metálicos da armadura de um Escavalier. –disse Evely incrédula.

- Escavalier? –perguntou Rick, curioso.

-É um pokemon inseto nativo da região de Unova, da onde eu vim, inclusive foi lá que eu capturei o meu Venipede – falava do pokemon cor de vinho que agora observava tudo do alto de sua cabeça.

-ELES CONSEGUIRAM! – Blue Oak chutou a cama, enraivado – Eles realmente conseguiram fundir mais um pokémon.

-Fundir pokemons?Como assim?

-Há muito tempo uma facção criminosa chamada Equipe Rocket desenvolveu uma pesquisa de risco, que na época era bancada pelo governo, onde o objetivo era fundir dois pokémons em um para torná-los mais fortes, suprindo suas fraquezas. Foi desses experimentos que surgiu o Weezing, o primeiro sucesso deles, onde juntaram dois Koffings em apenas um corpo. – ele começou a oscilar de um lado para o outro enquanto contava a história – que com sua reprodução acabaram por passar essas características para sua geração posterior, criando assim sua evolução. Porém, a população não gostou da idéia e eles foram obrigados a cancelar. Agora eles retornaram, por conta própria, e provavelmente injetaram as células presentes na armadura do Escavalier no sangue do Scyther, o que está fazendo crescer uma armadura metálica semelhante dentro do corpo dele. Isso pode levá-lo a morte se o corpo dele não reagir bem, o que eu presumo que acontecerá.

-Eu falhei!Eu prometi protege-lo e não fui forte o bastante! – julgou a si mesma, se sentido pela primeira vez inútil.

- Evely, você já conhecia esse Scyther antes? – finalmente Slade soltou a pergunta que estava engasgada há algum tempo.

- Sim. Ele era o pokemon de um antigo lenhador que morava aqui nas redondezas, que antes de morrer pediu para que eu cuidasse do Rocut. Só que ele nunca me obedecia, ficava o dia todo cortando lenha em vão. Já tentei captura-lo, mas ele sempre fugia quando eu tentava um confronto. – algumas gotas de lágrimas começaram a escorrer por trás dos óculos da garota – Então um dia ele fugiu e nunca mais voltou. Provavelmente foi nesse dia que deve ter sido capturado por esses tais de Rockets.

-Acho melhor todos irmos dormir e esperar ver qual será a evolução no quadro do nosso amiguinho aqui. Já tivemos muitas revelações por hoje. – todos concordaram com a sugestão do de boina. Os garotos se acomodaram com seus sacos de dormir na sala, enquanto as meninas dormiram no único quarto da sala.


Os viajantes sofreram. Evely acordava as cinco e meia da manhã, juntamente com os insetos, e obrigou a todos a fazer o mesmo quando o sol mal tinha nascido ainda.

-Me recuso a acordar no mesmo horário que os escravos no tempo da monarquia. Aproveitem e preparem um suntuoso café-da-manhã light para mim enquanto retorno ao meu adorável sono de beleza. E para retirar toda e qualquer dúvida: ISTO É UMA ORDEM! – exclamou a patricinha, retornando aos seus sonhos com bailes reais.

- Não liga pra essa maluca, ela pensa que até os fungos são servos dela. Coitada. – todos caíram em uma gargalhada abafada para não perturbar o sono da rainha.

Evely começou o seu trabalho matinal alimentando os pokemons selvagens que estavam pacientemente esperando por ela na porta.Rick foi preparar o café-da-manhã do grupo utilizando ingredientes que encontrou na pequena horta que a especialista em insetos cultiva no quintal de sua casa.Enquanto isso, Red iniciou o seu treinamento com Bulbasaur para a batalha de ginásio que estava próxima e Blue estava verificando o estado de Scyther.

-ELE DESAPARECEU!- vociferou Blue, fazendo Leaf pular da cama sobressaltada. Em um piscar de olhos todos estavam reunidos na sala.

-Como assim ele desapareceu?

-Não tenho idéia. Quando cheguei no quarto a cama estava bagunçada, e tinha um buraco enorme na parede, parecia que havia sido cerrada.

-Ah não, ele fez de novo. - Evely guiou-os até um a área bem próxima do casebre, floresta adentro. Quando chegaram lá, ofegantes, de tanto correr, encontraram Rocut cortando troncos de árvores em movimentos contínuos e mecânicos.

Red tentou se aproximar, andando cerca de seis passos em direção ao lenhador, mas foi repreendido por um olhar do mesmo que rosnou em seguida. Bravo, o treinador aspirante persistiu e sofreu as conseqüências de seu ato. Se Bulbasaur não tivesse chegado com uma poderosa investida momento preciso, provavelmente Red teria perdido seu pescoço nas lâminas afiadas de Scyther.

-Muito obrigado, garota. Você foi espetacular! – Scyther não esperou Red terminar de recitar seus elogios a Bulbasaur e atacou com um movimento muito poderoso conhecido como Cut que acertou a pequena planta distraída em cheio causando danos críticos.

-Uau, esse Scyther é bom mesmo. Já decidiu a batalha com apenas um golpe – disse Longdon, consertando seus óculos para não perder um segundo da luta.

-Eu sei que você consegue lutar ainda. Força. Lance o Poison Powder.

Do bulbo que carregava, Jade liberou uma onda de pó púrpura perigosamente venenosa. Por sua vez Rigot tentou voar para escapar, o que não foi uma boa ideia, pois o cansaço só o permitiu ascender por alguns metros, obrigando a pousar numa árvore e começar a escalá-la para fugir do ataque do envenenamento.

Aproveitando desgaste do adversário Bulbasaur utilizou um de seus brinquedos favoritos, Leech Seed, que ao acertar louva-deus começou a absorver toda a energia deste para a vegetal.

Alquebrado, o inseto não teve força para continuar segurando nos galhos da árvore e acabou caindo e antes mesmo que Red falasse “Tackle”, Jade já tinha partido para o ataque final que deixou Scyther inconsciente.

Red não perdeu tempo e sacou imediatamente uma pokeball de seu bolso. Expandiu-a e lançou-a em direção ao pokémon desfalecido. Esta liberou um raio rubro que sugou seu alvo, caindo no chão depois, oscilando.Depois de alguns instantes de tensão, a esfera bicolor se abriu libertando o conteúdo que habitava dentro de si.

-Droga! – praguejou o moreno - Porque não funcionou?

-Tenta essa aqui, Red. – Evely lançou uma pokeball peculiar para Red. Ela tinha seu topo azulado com faixas pretas cruzando-se dando ideia de uma rede.Era muito popular entre os treinadores de pokemons de água e inseto, era a Net Ball.



-Net Ball, catch it! – lançou-a confiante. A tocar no alvo a mesma se abriu e ao invés de liberar um raio, como a anterior, uma rede caiu sobre Scyther sugando-o novamente. Desta vez nem foi preciso oscilar, o pokemon já havia sido capturado. - Consegui!


Todos se animaram muito com a conquista do jovem, Evely inclusive o advertiu de que se não cuidasse bem do lenhador pokemon ela iria tirar satisfações pessoalmente com ele. Eles tomaram o café e em seguida se despediram. Blue voltou para casa para contar a seu avô as novas descobertas sobre a Team Rocket, cruzando os céus com seu Fearow, enquanto isso o trio partiu em direção a Pewter City onde Red aspirava desafiar o líder local.



NOTAS DO AUTOR

PRÓXIMO CAPITULO

Nenhum comentário:

Postar um comentário