segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Capitulo 07



Aventuras na Veridian Forest




Rick se encaixou perfeitamente na equipe. Por conta de sua idade avançada e maturidade conseguia conter os conflitos internos entre Red e Leaf, o que se tornava desgastante. Tinha um sotaque francês, o qual tentava maquiá-lo, mas ás vezes deixava escapar.


-Onde fica o ginásio daqui?- perguntou Red, ao lembrar-se que a cidade abrigava um ginásio oficial.


-Estás fechado há alguns meses - respondeu Longdan.


Red suspirou, desapontado.


-Mas há um ginásio logo após a Veridian Forest, em Pewter.


-Então seria bom que nos apressarmos. Estou excitado para ter minha batalha oficial pela Liga Pokémon.


Precavidos, compraram um estoque de itens em uma loja em Veridian, se equipando para os perigos iminentes da Veridian Florest.Segundo os moradores, era um local dominado por uma relva alta de densa, onde se torna quase impossível ver a luz do sol por conta da imensas árvores.Rick, que rotineiramente trabalhava no local fazendo pesquisas para suas aulas, confirmou esta versão.


Ao chegar ao caixa da loja, Leaf retirou um cartão de credito rosado da bolsa e entregou á atendente. A mesma esboçou uma feição surpresa ao ver o objeto com clareza:


- A senhorita faz parte da família Slade?-indagou á Leaf, incrédula. Ela assentiu. A moça embalou os itens e entregou aos viajantes, juntamente com o cartão.


- Tu és de família Slade?Eis a surprise. - disse Rick, após estarem do lado de fora do estabelecimento.


-Porque todos ficam tão assustados ao saber que a Leaf é dessa família?


-Red, porque a minha família é detentora de uma das maiores fortunas já contabilizadas e da maior rede de lojas do mundo, a Pokemon Mart.


Red ficou fora de orbita. Ele sabia que sua companheira era rica, mas não nesta proporção. E lá estava ela, uma pessoa tão nobre ao lado de um “pebleu”-como ela mesma o nomeava- viajando como iguais em uma jornada de destinos sinuosos. “Irônico”,pensou ele.


Ao meio-dia zarparam da cidade. Cruzaram a rota 02 em algumas horas, eventualmente, paravam, pois Rick desafiava algum treinador aspirante utilizando um jovem, porém, experiente Cubone. Isso incomodava um pouco Red, que queria ganhar experiência  antes de seu primeiro desafio na Liga Pokémon, o GYM de Pewter, mas sua educação impedia-o de fazer algo.


O sol brilhante obscurecia-se à medida que adentravam a Veridian Forest. Ela era exatamente como os moradores a descreviam: vegetação elevada que entrelaçava-se nos sapatos de Red como se ganhassem vida, abstinência de luz por conta das grandes árvores - elas eram tão próximas que pareciam querer espremer os viajantes - e uma multidão de insetos peçonhentos.


Leaf foi obrigada a utilizar vários frascos de Repel para conseguir manter seus inimigos mortais distante, os insetos- se ela avistasse algum começava a gritar feito louca. Depois de percorrerem cerca de três quilômetros, concordaram em fazer uma breve pausa no local mais espaçoso que encontraram.   


Leaf sentou-se, pegou uma revista em sua mochila e começou a folheá-la.


-Você gosta de Contests?- indagou Red, ao ler o titulo da revista: A MAGIA DOS CONTEST.


-Sim – assentiu – Pretendo competir no Grand Festival e me consolidar como uma verdadeira lady.


-Será preciso conquistar cinco ribbons para poder competir nessa parada- informou Rick – E ouvi dizer que essas competições já se iniciaram mês passado.


-Exato. Intento participar do Contest de Cerulean City.


-Aconselho a começar a se preparar.


-Preparar?Por quê?Não é só soltar as criaturas no palco e ficar acenando para o publico enquanto eles fazem o trabalho duro?- disse a garota, meio confusa.


Red levou a mão ao rosto, decepcionado


-Claro que não. Você deve treinar seus pokemons e preparar suas apresentações. Além dos outros detalhes básicos.


-Isso é muito cansativo- bocejou.


-Desisto- suspirou – Vou dá uma volta por aí, quem sabe encontro algum pokemon útil para o meu desafio contra Brock.


Red levantou-se, limpando a poeira das calças. Rick decidiu por acompanhá-lo, deixando a garota solitária, ocupada demais para se preocupar com qualquer cosia além de sua revista.


Conservou-se sentada; ela não soube quanto tempo havia decorrido desde a partida de seus companheiros, apenas que, de repente, um verme gosmento caiu em seu colo. A coordenadora ficou tão assustada que não prestou atenção em muitos detalhes da criatura, apenas que sua pele era tingida de um verde vivo e que possuía olhos grandes e reluzentes.


Em pânico, jogou a criatura nos ares, entojada. O inseto deu duas piruetas antes de cair no chão, alquebrado. Leaf, apavorada, abrigou-se atrás de uma árvore como se estivesse escondendo de um dragão faminto.


A lagarta, de súbito, envolveu-se em um brilho ofuscante e sua forma começou a se alterar. Quando o brilho cessou um casulo jazia imóvel no lugar em que alguns instantes havia um Cartepie. Era verde, assim como sua forma anterior, mas agora seus olhos brilhantes deram lugar a um olhar vago.






-Socorro!Ele quer me comer viva!-exclamava tão alto que toda a floresta era capaz de ouvi-la.


Em uma ultima esperança, retirou da bolsa um par de pokebolas e lançou-as no ar. Uma era tecnicamente comum, desconsiderando o fato de que era adornada de diamantes resplandecentes, e a outra era acinzentada com detalhes dourados- Luxury Ball.


Dois pokemons se materializaram de fronte para mestra. O primeiro era já um conhecido cavalo-marinho azulado, Horsea. O segundo era um animal quadrúpede de pelos lustrosos marrons. Possuía orelhas grandes e pontudas, como de duendes, e um colar felpudo cor de creme envolto do pescoço. Aquele era o pokemon evolução, Eevee.



-Me protejam,servos. -ordenou. O cavalo-marinho pôs se a serviço, ficando face a face com o inimigo. Eevee apenas se aninhou na grama, limpando seus pelos com a língua.


O silêncio prevaleceu durante longos três minutos, nenhum ser vivo ousou se quer mover um músculo.


-Porque vocês não atacam?-indagou-se, quebrando a monotonia- Quais são os ataques de vocês mesmo?... Ah!Horsea Silver Wind!


O pokemon voltou-se para sua mestra, com um olhar confuso, pois era impossível que soubesse utilizar tal movimento. Sabendo da ignorância da coordenadora, o pokemon aquático tomou frente da batalha lançando um golpe de Bubblebeam. O impacto do golpe fez com que a criatura esverdeada caísse para trás, começando a se debater numa tentativa falha de recompor-se.


Abruptamente, o inseto ascendeu-se, utilizando do String Shot. Balançando nos fios de seda como cipós,amarrados num tronco de uma árvore, sua locomoção ficou consideravelmente mais rápida, dando oportunidade de acertar Horsea com Tackle poderoso.


-Vamos seu inútil!-encorajava de forma grosseira.


Em um instante toda a área foi encoberta por um manto negro de fumaça, a visão ficou quase nula. A temperatura caiu, resultado do movimento Icy Wind utilizado por Horsea.Quando a fumaça se dissipou um Metapod congelado jazia derrotado.Eevee havia se abrigado entre as pernas de Leaf e o Horsea implacável olhava para seu oponente com um ar vitorioso.


 -Cof... Cof- tossia, por conta da fumaça, ao mesmo tempo em que esfregava as mãos constantemente pelos braços por causa do frio- Agora podem voltar.


Leaf pegou novamente duas pokebolas e tentou retornar seus pokemons, mas só Eevee regressou, pois a outra esfera não ativava. Depois de diversas tentativas sem sucesso, resolveu jogar a pokebola no cavalo-marinho. Aziaga, errou o alvo, acertando a criatura desfalecida. O dispositivo liberou um raio rubro que absorveu o pokemon inseto para dentro de si. Caiu no chão e oscilou por alguns instantes até cessar.




-Arceus, o que eu fiz?- a menina caiu de joelhos, desgostosa, passando a mão no rosto tão forte que poderia arrancá-lo.


Horsea levou a esfera até a garota, rolando-a com a boca, e sorriu com os olhos. Leaf hesitou, mas acabou devolver o sorriso. Ela tomou o pokemon em seus braços, afagando-o carinhosamente. 

Naquele momento esqueceu de que havia capturado um repugnante pokemon inseto, de que seus cabelos estavam quase crespos, e de que aquele pokemon era o que ela mais odiava. Ela simplesmente queria abraçá-lo.


O tempo pareceu parar. Treinadora e pokemon divertiram por tanto tempo que nem sentiram falta de Red e Rick, que estavam muito atrasados. A empatia deles parecia se fortalecer a cada segundo.


Quase no fim da tarde, caíram, exaustos, na grama, lado a lado, rindo excessivamente. Quando deram por falto dos garotos, os dois já vinham correndo, de longe, esbaforidos. Chegaram e puxaram Leaf pelo braço antes que ela pudesse dizer “olá”. Ela tentou questionar durante todo o trajeto em que foi carregada, mais os rapazes permaneceram mudos. Só quando eles pararam ela pode entender o motivo de tanta euforia.


Eles agora se encontravam em um campo aberto, o único do local. O sol finalmente podia ser visto, avivando o verde da grama. No centro, uma grotesca árvore jazia estagnada. No primeiro instante, eles pensaram que era uma ilusão, pois ela estava envolto magicamente de brilho dourado. Seu tronco era tão denso que se poderia mobiliar uma casa por completo utilizando-o, e suas folhas cintilavam como se roubassem os raios solares para si próprios.


O trio de viajantes sentiu como se todas as suas energias se renovassem pela simples presença daquela obra divina da natureza.


-Eu venho aqui há anos e nunca tinha visto este lugar antes- disse Longdon.


-Isso com certeza não é deste planeta, só pode ser uma obra prima dos deuses.


-Eu preciso chegar mais perto- Leaf tentou se aproximar, mas foi impedida por uma parede invisível. No momento que se debateu com este, o mesmo revelou uma nova imagem: a de uma imensa construção metálica envolto da grande árvore.


-Copains, acho que estamos diante de uma famosa lenda da cidade de Veridian, a Árvore da Vida!



O trio estava boquiaberto diante do que se deparavam. Era algo inexplicável. Será que isto é real ou estão apenas mergulhando nas fantasias do mundo dos sonhos?






Nenhum comentário:

Postar um comentário