sábado, 9 de fevereiro de 2013

Prólogo: O Ataque




O sinal tocava e junto com ele diversos jovens transitavam pelos corredores daquele colégio. Muitos dialogavam entre si, outros ainda permaneciam na sala fazendo as ultimas anotações do conteúdo das avaliações, um grupo utilizava o bebedouro e o banheiro depois de muitas horas  confinados em sala de aula, enquanto a maioria deixava o local.

Um garoto de altura média, cabelos morenos, olhos  castanhos escuro parecia ter entre 7 e 8 anos carregava alguns livros nas mãos enquanto ajeitava o par de óculos de grau em seu rosto.Saiu da propriedade discretamente seguindo em direção a sudoeste da cidade.Cruzou algumas ruas com muita atenção para não  sofrer algum acidente mesmo que as ruas aquela hora estivessem bem calmas.

No meio do trajeto o menino começou a sentir que estava sendo seguido, deu uma olhada ao redor mais nada de incomum percebeu. Continuou seguindo e alguns minutos depois ouviu ruídos que se assemelhavam a risadas, olhou ao redor novamente e agora pode avistar algumas sombras se movendo velozmente.Acelerou o passo e agora se encontrava encharcado de suor, um medo tomou conta daquela criança parecendo que ela já previa que algo de muito ruim viria em seguida.

Em cerca de instantes, um grupo de garotos encurralou-o em um beco sem saída. O menino ficou em pânico, soltava berros e tentava sair daquele local mas era interceptado por uma  barreira humana formada pelos garotos maiores .Para o  maior azar dele, aquela rua era deserta e por isso não receberia nenhuma ajuda externa.Era como uma verdadeira sala de tortura.

- P-Porque estão fazendo isto comigo?- balbuciava o garoto fazendo uma pergunta a qual não era respondida- Eu nunca fiz nada com vocês.

-Não é uma questão de que você algo com a gente ou não- respondia um garoto robusto que se apresentava como líder do grupo- é que apenas você é nosso objeto de diversão!

Infelizmente para o garoto Red o alvo do dia foi ele. Depois de uma tenebrosa e dolorosa tempestade de socos e chutes, o garoto agora permanecia jogado ao chão alquebrado sem forças para se erguer. O garoto ficou alguns dias no hospital, pois fraturou alguns ossos da perna e do braço direito alem de ter o rosto completamente manchado de hematomas.

Esta banalidade já era costumeira com os alunos daquele colégio. Há alguns anos um grupo de estudantes bárbaros começaram a violentar outros alunos indefesos das mais diversas formas. Eram mensagens e apelidos ofensivos durante as aulas e após o período escolar diariamente era escolhido um alvo para se espancado. Transformando a vida da vitima em um inferno, onde nunca se tem piedade pelo alvo.

Pais e mães já fora reclamar imensuráveis vezes mais infelizmente mesmo com o apoio da diretoria o ataques ainda continuava de modo cada vez mais intensivo. Red fora obrigado a transferi-se  para um colégio para garotos superdotados onde encontrava colegas semelhante a ele e ficava longe ataques como aqueles.




 

8 comentários:

  1. Olha só! É Gabriel, eu demorei um pouco, mas cá estou para ver como você vai se sair com essa história. Eu havia dito o quanto me interessei pelo tema central que você introduziu nesse começo de história, por todo aquele caso de como o bullying é visto hoje. Foi muito inteligente de sua parte trazer um assunto tão abordado na atualidade para dentro da história, porque isso de fato chama a atenção, e com certeza é um fator que pesa bastante na personalidade do Red.

    Bem, acho que não tenho muito a dizer por enquanto, já que eu mostrei minha opinião lá na Copa Aliança. Mas vou me esforçar para acompanhar a sua história da maneira que for possível, beleza? Nos vemos em breve!

    ResponderExcluir
  2. Uma visita de Hooen, que honra!Bem vindo a Neo Pokemon Kanto, Shadow Zangoose.

    Nossa Bullying caiu como uma luva para mim e o Red.Um probelma serio e tão presente do seculo XXI que muitas vezes é oculto a nossos olhos.E porque não mostrar um menino que sofre deste mal e a devastação que causa em qualquer pessoa?

    Como ja havia lhe dito, farei desta história um meio de denuncia para esses probelmas sociais, que corropem não a sociedade por inteira mas pessoas inocentes.

    Bem fico por aqui, aguardo anciosamente sua proxima aparição.

    ResponderExcluir
  3. Oi, Gabriel, tudo bem? Já li todos os seus capítulos, mas não tinha comentado, por isso, comentarei agora. Afinal, é um comentário que incentiva um escritor, e eu não iria conseguir ir adiante com a minha fanfiction sem meus leitores me apoiando. Mas agora, vamos ao capítulo!

    Ah, o bullying, admito que nunca sofri isso e também nunca vi alguém sofrendo com tal coisa. Sempre pensava "Que saco!" naquelas palestras de escola tratando-se do assunto. Mas com o tempo, percebi que isso realmente existe, embora eu nunca tenha visto. Eu pensava "Como pode existir, se eu não vejo nem sinto?". Foi então que lembrei da magnetização, não é mesmo? Eu não consegui vê-la, nem senti-la, mas de alguma forma, ela está ali. E ao ler a sua fic, eu pensei "Como eu nunca sofri Bullying?". Admito, já levei algum apelido de meninos chatos, porém, sempre fui aquela menina estourada, que toda hora quando um garoto botava apelidinho em mim, partia pra porrada kkk. De dar tapa nas costas deles, de correr atrás na hora do recreio, tudo por causa que me botaram um apelidinho que eu não gostei e achei ofensivo kkk.

    Agora falando mais do prólogo, senti pena do Red, logo quando li aqui, ele se tornou meu personagem favorito, mesmo que só tenha aparecido ele. Esse prólogo me prendeu, fazendo-me correr para o próximo capítulo, e um dos motivos que me fez ir para o próximo, foi ver como seria a vida de Red. No primeiro capítulo, previ que ele seria um ótimo protagonista e, acho que não errei. Certo, irei comentar nos próximos capítulos, e ler o 3 que não li ainda. Até logo, Gabriel.

    Obs.: Não ajudaria se colocasse a página "home" já que mesmo clicando no cabeçalho, ele não vai para a página principal. Ah, e também deixar a página de parcerias mais "visível". Já que tem muita gente que pode não achar.

    ResponderExcluir
  4. Eae Rafinha?

    Bullying é uma coisa tão presente em nossa vida, quanto a presença de oxigênio!Mas não daqueles fracos, de dar apelidinhos bobos, é daqueles que agridem a pessoa tanto fisica quanto psicologica.Eu mesmo conheço diversos casos.

    Cara eu to tendo alguns probleminhas com o layout com este blog, ai dificulta um pouco, mas prometo resolver esse pequenos empercilhos de forma mais breve e eficaz possivel.

    ResponderExcluir
  5. Yo Gabriel! Finalmente tomei vergonha na cara e vim comentar. Sério mesmo, me desculpe man, prometo que vou comentar tudo de agora em diante, em todos os capítulos.
    Sério, deu vontade de dar uma voadora na cara desses moleques. Sério mesmo, odeio essas pessoas que fazem mostra de violência gratuita com os mais fracos. E olha que eu odeio violência.
    Achei o prólogo interessante. Agora nos resta ver como será a vida de Red no decorrer da fic. Como influenciou sua personalidade e mais ainda. De que maneira, no futuro, que ele irá superar esse trauma.
    Tenho certeza que Red será um ótimo protagonista e honrará o título de melhor treinador do mundo.
    Amanhã continuo comentando os capítulos porque já são 2:00 da manhã, ok?
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Adorei este seu prólogo, dá para ver a forma que retrata o bullying, sei que o bullying é um velho clichê para histórias tristes de personagens, mas é o que tem.
    Red sofrer bullying pode fazê-lo crescer muito como pessoa ao decorrer da história seria bom ver o jeito que ele tenta superar seu trauma com o bullying

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Teddy! Bem- Vindo a Kanto :)

      Exatamente isso. A história, principalmente a primeira temporada, é bem focada nessa questão de superação dos medos do Red que sempre foi uma criança coagida pela questão do bullying. Apesar de ser bem clichê sim, acho que rende ótimas histórias se for explorada da forma corretam, além de estender o debate sobre a causa.

      Espero vê-lo mais por essas bandas, até breve!

      Excluir
  7. Olá, Gabriel!

    Belo prólogo! Achei muito interessante incluir esse tema como foco na história, tornando assim a história mais real e até menos infantil.

    Continue!

    ResponderExcluir